21.1.15

Pensar é uma forma subjetiva de sentir, não é objetivo

"(...) lançou Sócrates
a ideia geral (disse Platão) de que o corpo
é a face visível do espírito e o espírito
a invisível do corpo" Agostinho da Silva
Falar em mente e em corpo é mentir, é não ver
A mente é a face invisível do corpo, o corpo é a face visível da mente
Não há qualquer hipótese de separação entre os dois!


E se é o corpo que pensa, o seu pensamento é de natureza sensitiva como diz Rousseau, pois o corpo é repleto de sentidos
Assim, pensar é, também, uma forma de sentir
Subjetivo: "Relativo ao sujeito ou nele existente; Que se passa exclusivamente no espírito."
Assim, pensar é uma forma subjetiva de sentir, não é objetivo
A sociedade faz-nos acreditar que o pensar é objetivo e é assim que ela nos torna objetos!
Não... somos um círculo... pensar e sentir estão no mesmo círculo, como iguais!
 São as coisas que são, aparentemente, objetivas, não os seres, nem os seus pensamentos...
Considerar os pensamentos objetivos é cortá-los da sua raiz: do ser que pensa
Torna-os pensamentos sem causa... subjetiva... sensitiva!
Daí se tornarem duros e nos retirarem da dança natural da vida
 O objetivo é o alvo... da seta... mas ele não está fora
Todo o conceito do pensamento como coisa objetiva vem da ilusão de haver algo fora do sujeito e desencarnou o homem do corpo, do Coração: do Sentir da Terra