28.1.15

De real há só o Eu Sou, tudo o resto passa, tudo o resto não é importante como é o Eu Sou!

Vivemos no mundo do adjetivo e não do substantivo, é por isso que o gay não é ser, é gay, o adjetivo comeu-lhe o ser aos olhos da sociedade, o adjetivo sobrepõe-se ao substantivo aos olhos mortos de quem deixou de ser quem é e passou a ver-se a si mesmo apenas através de adjetivos vindos de fora

A sociedade é o adjetivo, a natureza é o substantivo... mas sem substantivo, nenhum adjetivo, por mais pomposo que pareça, se aguenta por si
O substantivo é a fonte do adjetivo... é o que alimenta e ilumina o adjetivo... o adjetivo, por si, não é nada... o adjetivo é o substantivo que se perdeu de si mesmo...
De real há só o substantivo, ele é o princípio e o fim de tudo, e de nada...


De real há só o Eu Sou, tudo o resto passa, tudo o resto não é importante como é o Eu Sou!
A verdadeira religião é a que faz nascer em cada ser a noção do Eu Sou (de Je-suis), a noção de eternidade que a sociedade violou ao ser!
A verdadeira religião não condena nada do que venha após o Eu Sou... o foco dela é iluminar o Eu Sou dentro de cada um
Iluminada a substância do ser, desaparecem os adjetivos
Porque então, tu serás quem és... os adjetivos apenas existem enquanto o ser não é quem é
Porque então, não receberás mais atributos de fora, todo o mundo verá a luz que és por dentro