25.1.15

O homem não nasce para ter crenças, o homem nasce para ser a criação, para ser o tal poeta à solta!

O homem não nasce para ter crenças, o homem nasce para ser a criação, para ser o tal poeta à solta!
É a crença e só a crença que nos prende a um sistema... de crenças chamado sociedade... que nos prende a uma vida que não é a nossa - em que não somos por fora aquilo que somos por dentro
Lembrando que não há crenças, só criação, o homem pode voltar a ser a estrela de ímpar brilho que era quando nascera - ou antes!

"O Futuro é tão antigo como o Passado. E ao caminharmos para o Futuro é o Passado que conquistamos!" António Maria Lisboa
Ao caminharmos, desprendemo-nos do que nos prende, as crenças, e o Passado, aquele que a nossa memória lembra como sendo apenas o sentir da criação é resgatado para a luz! E, de novo, o ser pode... ser Criança!

Que o verdadeiro poder não vem das crenças às quais o homem se agarra!
O verdadeiro poder vem da criação!!!!!!

AHÔ!

O verdadeiro idealista é profundamente radical, não escolhe qualquer raiz, escolhe aquela que é verdadeira: a raiz da criação... a raiz que se funde à vida, que funda a Vida!
A raiz do coração que é o Sentir