2.2.15

O invisível é a morte, o visível é a vida, o invisível é a semente, o visível é a flor

"A nossa principal finalidade tem sido elevar o nosso nível de energia até conseguirmos entrar na dimensão da vida depois da morte, essencialmente fundindo as duas dimensões numa." James Redfield
"Por isso a nossa dimensão
Não é a vida. Nem é a morte." Natália Correia
O invisível é a morte, o visível é a vida
Como ainda não conseguimos fundir os dois de modo real, a nossa dimensão... é uma confusão
http://youtu.be/dvgZkm1xWPE
O invisível é apenas o visível que ainda não se abriu: se deu à luz
O invisível é a semente, o visível é a flor

 
 
A Terra é a caverna, o Céu é o topo da caverna
Só é possível ver, sendo invisível...
Não é que o essencial seja invisível aos olhos, os olhos é que precisam ser invisíveis para poder ver o que está ali, evidentemente visível
"Tenho ido mais na direção de me tornar transparente a meus próprios olhos para que o mundo, sem minha sombra, brilhe; avançando mais, pergunto-me se amar não é isso mesmo" Agostinho da Silva ...
Só que há uma diferença subtil entre ser transparente e apenas invisível
O transparente é o que já compreendeu que é invisível... e visível... simultaneamente
O transparente é o que já não está doente dos olhos


Agostinho da Silva nasceu sob o signo de Aquário... é o que se funde com a Visão: com a Vida!


 
E, por isso, Vê o que muito poucos Vêem!
 
Pe. António Vieira também é Aquário...
Interessante, os dois grandes portugueses que uniram os dois lados do oceano nasceram com o Sol em Aquário, como precursores da Era em que a Vida não é mais vista como algo separado do ser, mas inseparável da natureza do ser!
Pe. António Vieira com apenas 1 dedo no ar: «Somos 1 com a Vida»