13.3.15

Para que alguém te veja realmente é preciso que saiba que és só a luz dos olhos, não és a boca nem os ouvidos

Para que alguém te veja realmente é preciso que saiba que és só a luz dos olhos, não és a boca nem os ouvidos
A boca e os ouvidos são as 2 Humildades que se juntam no único O-rgu-lho que é o olhar
A sereia é a que não fala nem ouve, apenas olha e canta a música do seu olhar
O olhar é o fogo bebé que surge da união inseparável da boca e dos ouvidos

A boca dá, os ouvidos recebem: o olhar dá e recebe, ao mesmo tempo
A gente não tem que ouvir o que está fora: o que está fora é igual ao que está dentro, sendo o que está dentro o original
A boca é o sol, os ouvidos são a lua, a luz dos olhos é o sol azul