23.4.15

O corpo é a roupa da alma que é preciso despir

"Quando o português chegou
Debaixo duma bruta chuva
Vestiu o índio
Que pena!
Fosse uma manhã de sol...
O índio tinha despido
O português."
Oswald de Andrade


Pode ter sido ao contrário: estando a chover o português precisaria despir as roupas molhadas...
O corpo é secura... o corpo é a roupa da alma que é preciso despir

O Amor andava perdido neste mundo porque andava nu e, por isso, ninguém o conseguia ver (as pessoas habitualmente reconhecem-se pelas roupas não pela nudez)... um dia encontrou a Vida do outro mundo... a que sempre nos vê nus... e se reencontrou
O que há em comum entre nós é a nudez, não as roupas
A flor é a semente que se deixou molhar e assim se despiu de toda e qualquer roupa
Só nus por dentro comungamos de quem somos

Se os índios já fossem perfeitos não atrairiam tamanha imperfeição...
Falta-lhes despir a roupa que é o corpo
Adaptar-se à Terra pode ser um problema, porque a Terra não é a nossa Casa, e sim o Céu (que vive dentro dela)